Exame de Translucência Nucal


Hoje em dia muitas mães têm seu primeiro filho depois dos 35 anos, inclusive depois dos 40. É muito mais comum do que se imagina. O bom disso é que a gestante terá muitas pessoas para trocar experiências e se tranqüilizar. Aliás, conversar com outras gestantes que passaram a mesma coisa que você é bem reconfortante, pois torna-se possível perceber que o sucesso de uma gravidez nesta idade é bem maior do que muitas gestantes pensam.

Muitas vezes a mulher nesta idade já é mais madura e consegue lidar com os desafios de uma gravidez de forma mais serena. E isto é fundamental numa gravidez. Várias mulheres optam por uma gravidez tardia para se consolidarem na carreira, acumular recursos financeiros, ter mais tempo para encontrarem um parceiro etc.

Você sabe que toda gravidez tem riscos, mas que hoje em dia os recursos médicos e a tecnologia reduzem alguns problemas que antes não tinham como ser resolvidos. Ou seja, a modernidade, neste caso, está a seu favor.

Se você está grávida, parabéns! Muitas mães com um pouco mais de idade, têm mais dificuldade para engravidar e você conseguiu, pois nesta idade pode haver uma redução na fertilidade da mulher.

Mas eu sei também que a felicidade vem acompanhada de muita preocupação, acho que toda mãe (mesmo gestante já é mãe, no meu entender) se preocupa muito.

O risco mais conhecido e que aumenta muito em função da idade é de ter um filho com síndrome de Down. Existe um exame que pode detectar algum indicativo desta Síndrome e chama-se translucência nucal.

Ele é realizado através de um ultrassom. Só que ele deve ser feito quando a gestante está entre 11 semanas e 13 semanas e 6 dias.

Este exame mede uma área aumentada ou diminuída por um líquido na nuca do feto. Quanto maior for o tamanho maior a chance do feto apresentar Síndrome de Down, e o contrário também é verdadeiro, quanto menor o tamanho menor o risco. Não existe um tamanho normal, os médicos consideram que acima de 2,5 mm a chance fica bem maior.

Mas veja bem, a medida da Translucência Nucal não serve como diagnóstico e sim como um indicativo ou probabilidade maior do feto ter Síndrome de Down. Ou seja, se o exame der aumentado o médico pedirá outros exames para você fazer, e muitas vezes a presença da Síndrome não é confirmada.

Uma leitora minha me escreveu dizendo que o exame de ultrassom que mede Translucência Nucal tinha dado aumentado, mas ela não se desesperou. Ela disse que em vez de haver uma chance em dez do filho dela nascer com Síndrome de Down, ele tinha nove chances em dez para nascer normal, sem a anomalia.

Pensar de forma otimista não muda o resultado do exame, mas ajuda e muito na gravidez.


Deixe uma Resposta